domingo, 16 de julho de 2017

Philokalia - São Hesíquio, o Padre - Sobre a Vigilância


A atenção é a quietude do coração não interrompida por pensamento algum. Nessa quietude o coração respira e invoca, continua e incessantemente, apenas Jesus Cristo, que é o Filho de Deus e Deus Ele mesmo. Confessa Àquele que sozinho tem poder para perdoar nossos pecados e com Seu auxílio ele enfrenta corajosamente seus inimigos. Através dessa invocação continuamente envolvida em Cristo, o qual secretamente diviniza todos os corações, a alma faz tudo o que pode para manter sua doçura e sua luta interior escondida dos homens, de modo que o diabo, vindo sobre ela clandestinamente, não leve-a ao mal e destrua seu trabalho precioso.

A vigilância é uma contínua parada dos pensamentos e fixação na entrada do coração. Dessa forma, os pensamentos predatórios e assassinos são marcados à medida que se aproximam e o que eles dizem e fazem é anotado; E podemos ver em que forma capciosa e elusiva os demônios estão tentando enganar o intelecto. Se somos conscienciosos nisso, podemos ganhar muita experiência e conhecimento da guerra espiritual.

Muita água compõe o mar. Mas a vigilância extrema e a Oração de Jesus Cristo, não distraída pelos pensamentos, são a base necessária para a vigilância interior e a quietude insondável da alma, para a profundeza da contemplação secreta e singular, para a humildade que conhece e avalia, para a retidão e para o amor. Essa vigilância e essa oração devem ser intensas, concentradas e incessantes.

Agora vou dizer-lhe em linguagem simples e direta o que considero ser os tipos de vigilância que gradualmente limpam o intelecto de pensamentos enfeitiçados pelas paixões. Nestes tempos de guerra espiritual, não desejo esconder sob as palavras qualquer coisa em que este tratado possa ser útil, especialmente para pessoas mais simples. Como diz São Paulo: "Preste atenção, meu filho Timóteo, ao que você lê" (1 Timóteo 4:13).

Um tipo de vigilância consiste em examinar minuciosamente toda imagem mental ou provocação; Pois só por meio de uma imagem mental, Satanás pode fabricar um pensamento maligno e insinuar isso no intelecto, a fim de o desviar.

Um segundo tipo de vigilância consiste em libertar o coração de todos os pensamentos, mantendo-o profundamente silencioso e imóvel, e em oração.

Um terceiro tipo consiste em chamar continua e humildemente o Senhor Jesus Cristo por ajuda.

Um quarto tipo é sempre ter o pensamento da morte na mente.

Estes tipos de vigilância, meu filho, agem como porteiros e barram a entrada dos pensamentos do mal. Em outro lugar, se Deus me der as palavras, eu tratarei mais plenamente de um tipo mais amplo que, juntamente com os outros, também é eficaz: ele consiste em fixar o olhar no céu e não prestar atenção a nada material.

Quando, em certa medida, tivermos cortado as causas das paixões, devemos dedicar nosso tempo à contemplação espiritual; Pois, se não conseguimos fazer isso, reverteremos facilmente para as paixões carnais, e assim conseguiremos apenas o escurecimento total do nosso intelecto e sua reversão para as coisas materiais.

O homem envolvido na guerra espiritual deve simultaneamente possuir humildade, atenção perfeita, poder de refutação e oração. Ele deve possuir humildade porque, como sua luta é contra os demônios arrogantes, ele terá a ajuda de Cristo em seu coração, pois 'o Senhor odeia o arrogante' (Provérbios 3:34. LXX). Ele deve ter atenção para sempre manter seu coração limpo de todos os pensamentos, mesmo dos que parecem ser bons. Ele deve possuir o poder da refutação para que sempre que ele reconheça o diabo, possa de pronto repugna-lo com raiva; Porque está escrito: "E responderei àqueles que me vilipendiam; Minha alma não estará sujeita a Deus? ' (Salmos 119: 42; 62: 1. LXX). Deve possuir oração para que assim que ele tenha refutado o diabo, ele possa chamar a Cristo com "clamores que não podem ser proferidos" (Romanos 8:26). Então ele verá o diabo quebrado e; Encaminhado pelo venerável nome de Jesus - verá o Diabo e sua dissimulação espalhada como poeira ou fumaça diante do vento.

Se não tivermos atingido uma oração livre de pensamentos, não teremos arma para lutar. Por oração eu refiro-me a oração que é sempre ativa no santuário interno da alma, e que, invocando Cristo flagela e cauteriza nosso inimigo secreto.

Esteja atento enquanto você viaja a cada dia a estrada estreita mas alegre e emocionante da mente, mantendo sua atenção humildemente em seu coração, se reprovando, pronto para refutar seus inimigos, pensando em sua morte e invocando Jesus Cristo. Você assim alcançará uma visão do Sagrado dos Sagrados e será iluminado por Cristo com profundos mistérios. Pois em Cristo "os tesouros da sabedoria e do conhecimento" estão escondidos, e Nele "a plenitude da Divindade habita corporalmente" (Colossenses 2: 3, 9). Na presença de Cristo, você sentirá o Espírito Santo surgindo dentro de sua alma. É o Espírito que inicia o intelecto do homem, para que possa ver com o "rosto desvelado" (2 Coríntios 3:18). Pois 'ninguém pode dizer "Senhor Jesus" exceto no Espírito Santo' (1 Cor. 12: 3). Em outras palavras, é o Espírito que confirma místicamente a presença de Cristo em nós.

Aqueles que amam o verdadeiro conhecimento também devem estar conscientes de que os demônios em seu ciúmes às vezes se escondem e desistem da batalha espiritual aberta. Regozindo-nos o benefício, o conhecimento e o progresso na direção de Deus que derivamos da batalha, eles tentam nos deixar descuidados para que de repente possam capturar nosso intelecto e novamente reduzir a nossa mente à falta de atenção. Seu objetivo incessante é evitar que o coração seja atento, pois eles sabem o quanto essa atenção enriquece a alma. Nós, pelo contrário, através da lembrança de nosso Senhor Jesus Cristo, devemos redobrar nossos esforços para alcançar a contemplação espiritual; E então o intelecto novamente se encontra envolvido na batalha. Que tudo o que fazemos seja feito com grande humildade e somente, se eu puder assim colocar, com a vontade do próprio Senhor.

Não somos mais poderosos do que Sansão, mais sábios do que Salomão, mais conhecedores de Deus do que Davi, e não amamos melhor a Deus do que Pedro, o príncipe dos apóstolos. Portanto, não tenhamos confiança em nós mesmos; Pois aquele que tem confiança em si mesmo vai cair de cabeça.

Deixe a sua alma, então, confiar em Cristo, invocando-Lhe e nunca tenha medo; Pois ela não luta sozinha, mas com a ajuda de um poderoso Rei, Jesus Cristo, criador de tudo o que é, tanto espiritual como encarnado, visível e invisível.

Aqueles que carecem de experiência deveriam saber que é somente através da vigilância incessante do nosso intelecto e da constante invocação de Jesus Cristo, nosso Criador e Deus, que nós, mental e fisicamente grosseiros e limitados como somos, podemos superar nossos inimigos incorpóreos e invisíveis; pois eles não apenas são sutis, rápidos, malévolos e habilidosos na malícia, mas têm uma experiência na guerra, conquistada ao longo de todos os anos desde Adão. Os inexperientes têm como arma a Oração de Jesus e o impulso de testar e discernir o que é de Deus. Os experientes têm o melhor método e professor de todos: a atividade, o discernimento e a paz do próprio Deus.

Deixe seu modelo de silêncio de coração ser o homem que segura um espelho no qual olha. Então você verá o bem e o mal impresso em seu coração.

A vigilância é como a escada de Jacó: Deus está no topo, enquanto os anjos a escalam. Ela nos afasta de tudo ruim, corta as conversas fiadas, abusos, maldições e todas as outras práticas do mal do tipo. No entanto, ao fazer isso, nem por um instante, ela perde sua própria doçura.

Aquele que não conhece a verdade não pode ter fé verdadeiramente; Pois, por natureza, o conhecimento precede a fé. O que é dito na Escritura é dito não apenas para que possamos entender, mas também para agirmos. 

São Basílio o Grande, porta-voz de Cristo e pilar da Igreja, diz que uma grande ajuda para não pecar e não cometer diariamente as mesmas falhas é que nós revisemos em nossa consciência no final de cada dia o que fizemos de errado e o que fizemos corretamente. Jó fez isso com respeito a si mesmo e aos seus filhos (ver Jó 1: 5). Essas avaliações diários iluminam o comportamento de um homem hora por hora.

Dissipação e humildade conduzem ao conhecimento espiritual. Sem eles, ninguém pode ver a Deus.

A humildade e as dificuldades ascéticas libertam um homem de todo pecado, pois uma corta as paixões da alma e as outras as do corpo. É por essa razão que o Senhor diz: "Bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus" (Mateus 5: 8). Eles devem ver Deus e as riquezas que estão Nele quando se purificarem através do amor e do autocontrole; E quanto maior a sua pureza, mais eles verão.

O vigia de Davi prefigura a circuncisão do coração; Pois a guarda do intelecto é uma torre de vigia lançando uma visão sobre toda a nossa vida espiritual (2 Sam. 18:24).

A luz é propriedade de uma estrela, assim como a simplicidade e a humildade são propriedade de um homem santo e temente de Deus. Nada distingue mais claramente os discípulos de Cristo do que um espírito humilde e um modo de vida simples. Os quatro evangelhos gritam isso em voz alta. Quem não tiver vivido dessa maneira humilde será privado da sua parte Naquele que "se humilhou ... à morte, até a morte da cruz" (Filipenses 2: 8), o próprio legislador dos evangelhos divinos.

É dito que aqueles que têm sede devem ir às águas (Isaías 55: 1). Aqueles que têm sede de Deus devem entrar na pureza da mente. Mas aquele que, através dessa pureza sobe alto, deve também manter um olho na terra de seu rebaixamento e simplicidade, pois ninguém é mais exaltado do que aquele que é humilde. Assim como quando a luz está ausente, todas as coisas ficam escuras e sombrias, quando a humildade está ausente, todos os nossos esforços para agradar a Deus são inúteis e vãos.

Se um homem não leva a cabo a vontade e a lei de Deus "em suas partes internas", isto é, em seu coração, ele também não poderá realizá-las facilmente na esfera externa dos sentidos. O homem descuidado e desatento dirá a Deus: "Não quero conhecer os teus caminhos" (Jó 21:14. LXX), obviamente, porque ele não tem iluminação divina. Mas aquele que participa nessa luz será confiante e firme em assuntos que dizem respeito a Deus.

Assim como o sal tempera o nosso pão e outros alimentos e evita certas carnes estragarem por um bom tempo, a doçura espiritual e o trabalho maravilhoso que resultam da proteção do intelecto afetam algo semelhante. Pois, de uma forma divina, eles temperam e adoçam o eu interior e o eu exterior, afastando o fedor de pensamentos malignos e mantendo-nos continuamente em comunhão com bons pensamentos.

A lembrança incansável da morte é um treinador poderoso de corpo e da alma. Englobando tudo o que se encontra entre nós e a morte, devemos sempre visualizá-la, e mesmo a própria cama em que devemos dar o nosso último suspiro, e tudo o mais relacionado com ele.

Se você quer nunca ser ferido, não sucumba ao sono. Há apenas duas escolhas: cair e ser destruído, despojado de toda virtude; ou, armados com o intelecto, manter firme através de tudo. Pois o inimigo e o anfitrião estão sempre prontos para a batalha.

Este grande mestre espiritual, David, disse ao Senhor: "Conservarei a minha força através de Ti" (ver Sal. 59: 9 LXX). Assim, a força da quietude do coração, a mãe de todas as virtudes, é preservada em nós através de sermos ajudados pelo Senhor. Pois Ele nos deu os mandamentos, e quando o invocamos constantemente Ele expulsa de nós aquele abominável esquecimento que destrói a quietude do coração como a água destrói o fogo. Portanto, não "durma até a morte" (Salmo 13: 3. LXX) por causa de sua negligência, mas atacar o inimigo com o nome de Jesus e, como um certo homem sábio disse, deixe o nome de Jesus aderir à sua respiração, e então você conhecerá as bênçãos da quietude.

Quando com medo, indignidade e tremendo ainda podemos receber os mistérios divinos e imaculados de Cristo, nosso Rei e nosso Deus, devemos então exibir ainda maior vigilância, rigor e proteção sobre nossos corações, para que o fogo divino, O corpo de nosso Senhor Jesus Cristo, possa consumir nossos pecados e máculas, grandes e pequenos. Pois, quando esse fogo entra em nós, ele imediatamente expulsa os espíritos malignos de nosso coração e remite os pecados que cometemos anteriormente, deixando o intelecto livre da turbulência de pensamentos perversos. E se, depois disso, montamos guarda na entrada do nosso coração, e mantemos estrita vigília sobre o intelecto, permitimos-nos novamente receber esses Mistérios, o corpo divino iluminará ainda mais nosso intelecto e o fará brilhar como uma estrela.

Um comentário:

Ander disse...

Perfeito.

Grato mais uma vez.