segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Shri Siddharameshwar Maharaj - Junho de 1933

Os desejos mundanos penetraram e se entrelaçaram com os pensamentos. É na companhia do corpo que o pensamento deu forma a si mesmo com o molde dos desejos. Então, surge uma pergunta: "Como é que eles podem ser separados"?
O "conhecimento de Brahman" nunca pode ser adquirido a menos que os desejos sejam abandonados. Devido ao conceito habitual de "fazer alguma coisa" e colher os seus frutos, nossa "consciência-interior" (Antahkarana) está inclinada na direção da satisfação dos desejos, e isso tem dado origem ao ego. Ao esquecer a "verdadeira natureza" (Swaroopa), a pessoa agarra-se ao conceito "eu sou o corpo", e a mente torna-se identificada com a consciência individual (Jiva). Essa é a razão pela qual ela se torna fascinada com desejos mundanos, e amante de prazeres sensuais. Se alguma vez os pensamentos tivessem sido a verdadeira natureza do indivíduo, eles teriam gravitado apenas na direção da consciência individual, e nunca teriam se envolvido com os desejos.
A consciência individual, enquanto esquece seu "verdadeiro ser", se esforça para satisfazer o pensamento. Como o pensamento tornou-se apaixonado pelos desejos, a consciência individual, em conformidade, torna-se obsecada por eles também. A consciência individual, de fato, é eternamente livre, e está apenas na forma de energia-vida. O orgulho pelo corpo, e o orgulho da mente, juntamente com o orgulho pela sua forma de pensar, cristalizaram-se em um rígido, porém falso, orgulho. É devido a esse orgulho que a consciência individual parece ter-se tornado o corpo, e em sua companhia constante, tem se rendido aos desejos.
Aquele que abandona todo o orgulho atinge a liberdade da prisão e sai do oceano da existência mundana. Como todos os objetos são apenas Paramatman, nada pode ser alegado. Deve-se ter a atitude de que "Tudo isto pertence a Paramatman, deixe que as coisas tomem seu próprio rumo. O que cabe a mim? Aconteça o que acontecer, o que quer que for perdido, não é assunto meu." Aquele que se comporta dessa maneira é transformado em Paramatman.
É dito que "desapego intenso" é a renúncia total; que "desapego puro" é viver neste mundo como se estivéssemos numa casa de hóspedes; enquanto que o "desapego moderado" consiste em gradualmente se retirar das coisas mundanas. Quando nenhum desses três é possível, servir os santos e os sábios com uma total dedicação do nosso corpo, mente e riqueza pode ajudar a gerar desapego.
A fortuna do Yogi é verdadeiramente grande, quando o desapego do corpo é estabelecido. Deve-se renunciar a todos os desejos. O orgulho está associado à casa, à esposa, aos filhos, à riqueza e deve ser abandonado. Isso ajuda a nos livrar da escravidão. A fim de abandonar o orgulho, é preciso praticar a adoração. Deveríamos saber e dizer: "Eu não sou o corpo, eu sou o Ser (Self)". Devemos dizer: "Eu sou Ele, O que está em todos". Após a expulsão dos desejos, passamos a saber que todos os seres são Paramatman. É assim, quando a consciência individual atinge o estado de Paramatman. Uma vez que os desejos e os pensamentos são falsos, como é possível que alguma vez realmente afetem a consciência individual?
A consciência individual, com a ajuda do corpo tem satisfeito muitos desejos neste mundo transitório. Os pensamentos, na companhia dos desejos tornaram-se passionais. Dia e noite, o intelecto (Buddhi) pensa em desejos sensuais que lhe são queridos. Essa é a razão pela qual o orgulho associado aos desejos veio a existir. Laços fortes têm sido desenvolvidos com desejos mundanos, e seus conceitos tornaram-se uma obstrução. Devido ao orgulho associado com o corpo, a consciência individual considera todas as coisas relacionadas com o corpo, sejam boas ou ruins, como sendo dela própria. O indivíduo tem, portanto, esquecido sua própria "natureza real" (Swaroopa) e em vez disso, concentrou-se em desejos.
"Conhecimento" não é nada além de uma mudança radical no intelecto. No momento em que a pessoa for verdadeiramente iniciada, ou começar a comportar-se de acordo com o conselho do Mestre, pode imediatamente atingir a libertação. Escutar e refletir sobre o discurso espiritual é o único método para se chegar à "verdade última" (Paramartha).

Um comentário:

Om Shanti disse...

Muito obrigado Ricardo por postar os ensinamentos contidos no seu blog, até Shri Siddharameshwar Maharaj !!

As traduções são feitas por você?

O melhor blog que eu já vi, continue com este coração iluminado !!

Grande abraço e muita paz,

Fernando