quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Meher Baba - O silêncio . . .

Na verdade, tudo na criação evolutiva é forjado exclusivamente pelo Poder Infinito de Deus, que trabalha em eterno silêncio - como que por trás da tela, desconhecido, não sentido ou mesmo insuspeitado pela maioria daqueles que estão atuando no flash de luz do palco. Alguns, através da graça do mestre, ou da graça de Deus, conseguem libertar de dentro do seu próprio ser a fonte escondida do amor divino, que revela a plena e certa compreensão da Infinita Divindade, que, em sua eternidade, engloba não só o passado aparentemente sem começo e o aparentemente transitório presente, mas também o aparentemente interminável futuro.
O aspecto aparentemente infinito da extensão do tempo, é, em última análise, irreal, da mesma maneira que o próprio tempo, em última análise, é irreal. Na compreensão espiritual definitiva (que facilita a Realização consciente da verdade absoluta), a infinitude ilusória do processo do tempo é confrontada na verdadeira eternidade da vida e do ser de Deus. O Deus-homem, que conscientemente se estabeleceu na compreensão ilimitada de Deus, pode conhecer o passado, o presente e o futuro. Mas para ele, esse conhecimento das sombras fugazes da Eternidade é muito menos importante do que completar a fusão no aspecto incompreensível de Deus, na Compreensão infinita, Verdade infinita ou Realidade.
De fato, todos sem exceção tem a sua verdadeira existência somente nesse, e como esse Ser de Deus ilimitado como verdade absoluta. Mas é como ter algum tesouro escondido que, embora esteja em nossa posse, é de benefício inexistente enquanto permanecer desconhecido. O único propósito da criação evolutiva é colocar a alma na posse consciente assim como na apreciação deste tesouro infinito. Naqueles que são Perfeitos, Deus trabalha para este fim conscientemente. Mas é Ele apenas que trabalha através de tudo e de todos, e, embora este trabalho seja essencialmente inconsciente, também leva ao mesmo fim.
Isso pode ser esclarecido usando-se a analogia da respiração. Respirar é o próprio fundamento da vida e a ausência da respiração significa abandonar o corpo físico (sem encerrar a existência da alma). Mas essa respiração é em sua maior parte desempenhada inconscientemente e nos tornamos conscientes dela só em casos de esforço excepcional. Da mesma maneira, o trabalho de Deus através dos processos evolutivos é na sua maior parte inconsciente e silencioso, e o cessar desse trabalho traz o final (pralaya) da criação (sem encerrar a existência do próprio Deus). Deus torna-se consciente de seu trabalho apenas em casos raros, dos Deuses-Homens que possuem e desfrutam Divindade na Vida Eterna.
Por eras e mais eras, Deus tem trabalhado em silêncio, não observado e despercebido, exceto por aqueles que experimentam Seu Silêncio infinito.

Um comentário:

Jairo de Abreu - Belo Horizonte, MG, Brasil disse...

Olá Ricardo Melito.
Moro em Belo Horizonte, estou tentando fazer contato com vc a fim de obter uma cópia do livro que vc postou no blog de mesmo nome, Teoria da Influência Celestial.
Será que vc poderia me enviar o arquivo?
Fiz contato no Facebook e também no Linkedin.
Obrigado.
Jairo.